2014: O ano em que você vai levar um furo de um jorna-nerd

Em 2014, você vai levar furo de um repórter que sabe programar. Sim, você mesmo. Não o repórter na baia ao lado. Não aquele colega de faculdade. Você.

“Posso dizer então que isso que você falou seria…”


Claro, repórteres não precisam programar. Mas há muitas coisas que repórteres não precisam saber como fazer. Eles também não precisam saber escrever — muitos “artistas do furo” mal conseguem escrever seus nomes e seus textos são reescritos por santos editores. Vários que sabem escrever muito bem são do tipo acanhado, não conseguem conceber como convencer estranhos a contar seus segredos. E todos conhecemos repórteres que não sabem fazer uma requisição usando a Lei de Acesso à Informação e não suportam a ideia de ler a avalanche de documentos que, com sorte, chegam com a resposta.
Você pode ser um bom jornalista sem ser capaz de fazer várias coisas. Mas cada habilidade que você não tem deixa toda uma categoria de histórias e reportagens fora do seu alcance. E histórias baseadas em dados são, normalmente, aquelas que conseguem se esconder debaixo do seu nariz. Continue…

Prêmio Esso Educação 2012: uma aula de jornalismo de dados e bom senso

O título “Aula de Excelência na Pobreza”, matéria d’O GLOBO que rendeu o Prêmio Esso de Educação em 2012 ao jornal, não parece, a princípio, nada fora do comum para uma pauta de educação/desenvolvimento social. Um bom exemplo encontrado na Amazônia, uma escola incrível, ponto fora da curva no Brasil. Mas não é bem assim. Antônio Gois, jornalista do GLOBO que liderou o especial, explicou como a pauta nasceu para o grupo de 30 jornalistas que participa do curso de jornalismo de dados organizado pela fundação lemann em parceria com o Insper.
Gois, com a ajuda de Ernesto Farias, economista da fundação lemann, selecionou todas as escolas brasileiras com nota acima de seis no Ideb (nível que seria compatível com escolas de países desenvolvidos), mas com uma ressalva: aquelas que têm o nível sócio-econômico mais baixo, até 25% na escala. O corte separou 82 escolas das demais brasileiras. Muitos já tirariam uma manchete daí, “82 escolas ‘pobres’ do Brasil têm nível de primeiro mundo”.
Contudo, algumas dessas escolas podiam ser exceções. Foi feita uma análise de contexto: como essas escolas pontuaram em Idebs anteriores? É um comportamento de tendência ou um pico inesperado? Apenas as que tiveram pontuação consistente ao longo dos anos foram selecionadas para receber visita da equipe. Além disso, os jornalistas do GLOBO bolaram um questionário com 10 perguntas para que os repórteres pudessem verificar de forma uniforme se as escolas tinham características em comum que ajudasse a explicar o bom desempenho no Ideb.
Dentre as características comuns às escolas, estão a preocupação em não deixar nenhuma criança para trás, a participação das famílias estimulada pelas escolas, o bom ambiente escolar e a satisfação dos professores.

USP lança primeiro "massive online open course" da América Latina

No dia 12 de junho, a Universidade de São Paulo, junto com o Veduca, lança o primeiro MOOC (Massive Online Open Course) da América Latina… assinado por uma universidade pública. A bem da verdade vários MOOCs já rolaram por aqui, um exemplo é o curso de jornalismo de dados do Knight Center for Journalists da América Latina. Existem outros que poderiam se encaixar na descrição de “Curso Massivo Aberto e Online”, mas normalmente a sigla está atrelada a instituições de ensino superior, há emissão de certificado de honra, são gratuitos, estruturados, têm acompanhamento em tempo real e início, meio e fim. Enfim, existem “turmas”.
Os cursos oferecidos pela USP serão Física Mecânica Básica e Probabilidade e Estatística. Com isso, a USP entra para a lista de universidades ao redor do mundo que estão apostando no experimento de ensinar milhares de alunos ao mesmo tempo. Há um ano, por exemplo, Harvard e MIT fundaram o edX. Desde então, várias outras se uniram à plataforma. Outros bons exemplo são o Coursera e o Udacity, ambos encubados em Stanford. Todos, contudo, oferecem cursos em inglês.
Não será a mesma coisa do que estudar na USP, como não é estudar no MIT quem fez um curso do eDX. Mas se a instituição seguir o exemplo lá de fora, a experiência será de altíssima qualidade.

Lista de termos estatísticos usados em pesquisas (parte 2)

Esse post finaliza a lista de ontem sobre os termos estatísticos que jornalistas deveriam saber. O post original foi publicado pelo blog Journalist’s Resource e recomendado pelo José Roberto de Toledo. Em frente: Continue…

Lista de termos estatísticos usados em pesquisas (parte 1)

O blog Journalist’s Resource (de Harvard) publicou recentemente termos de estatística usados em pesquisas, uma espécie de cartilha para jornalistas. Quem precisa escrever reportagens baseadas em estudos que apresentam números, dados e planilhas, normalmente encontra também uma avalanche de termos como “inferência estatística”, “viés de seleção” e “margem de erro”. O significado de alguns deles podem ser facilmente deduzidos, mas realmente sabemos o que eles significam? Se você não tem certeza, prossiga.
Sabemos que um curso de estatística é algo valioso, mas é algo que raramente está no topo das nossas prioridades. Contudo, é vital que tenhamos conhecimento além dos resumos dessas pesquisas. Temos que entender os métodos e conceitos que formam a base fundamental dos estudos acadêmicos para podermos julgar com o melhor de nossa capacidade os méritos daquilo que servirá de pilar para nossas reportagens. Não foi à toa que José Roberto de Toledo, um dos precursores e guru de RAC (Reportagem com Auxílio de Computador) no Brasil, sugeriu a leitura, tradução e arquivamento da cartilha. Pois bem, aqui vai uma mãozinha.
Continue…