Intensivão sobre a China, física com culinária e o funcionamento da medicina

Uma das maiores vantagens de saber conversar com um computador é colocá-lo para realizar tarefas imensamente tediosas. Outro dia precisei fazer a análise de um sem número de matérias publicadas na internet. Eu precisava buscar um termo no Google, clicar no link, copiar o endereço, a data, o título da matéria, lê-la e aplicá-la uma nota baseada em alguns parâmetros — preencher isso tudo em uma tabela. Fazer isso com três ou quatro, vá lá, mas com mais de duas mil matérias tomaria um tempo que ninguém tem. Há um ano, eu teria que abrir mão dessa análise simplesmente por não saber como dizer para o computador que ele, e não eu, deveria realizar essas tarefas. Tirando a parte de ler a matéria e aplicar uma nota, o restante ele faria em alguns minutos. Mas por que estou falando disso? Continue…

Data journalism como defensor da democracia

“Saiam às ruas e façam uma revolução se for preciso”, disse Tim Berners-Lee. O pai da World Wide Web não estava brincando. No bate-papo desta terça-feira no palco principal da quarta edição da Campus Party Brasil, o engenheiro britânico trocou ideias com o ex-vice-presidente americano e vencedor do Nobel da paz de 2007, Al Gore, sobre como manter a web e a internet abertas e gratuitas para o fortalecimento do data journalism e como ele pode servir de ferramenta para salvar o mundo da tirania, do limite à liberdade individual e das mudanças climáticas causadas pelo homem. O debate foi mediado por Ben Hammersley, editor senior da Wired, presidente da Campus Party USA e alguém que voltaremos a falar sobre na próxima sexta-feira (21) segunda (24). Continue…