O dia em que 'data journalism' se tornou 'Notícias Interativas'

No início do ano comentei no post “O que é data journalism?” que um dos principais objetivos desse blog é divulgar e descobrir essa coisa que na época eu chamava ‘data journalism’. Chamava. Áreas emergentes do conhecimento não têm as mesmas regalias daquelas já consolidadas. Elas não têm definição precisa, não têm maturidade. Os nomes que damos em determinado momento dão vagamente conta daquilo que conhecemos. À medida que a jornada acontece você troca experiências, desenvolve raciocínios e descobre novos horizontes. Na minha caminhada, descobri que, pra mim, data journalism é um afluente de algo maior. Algo que a partir de agora chamo de Notícias Interativas. Por quê? Continue…

Processing: visualização de dados inteligente para os (nem tão) leigos

Semana passada, além de ter conversado com a filósofa Rebecca Goldstein sobre o meio termo entre ateísmo e religião, participei de um workshop muito interessante na Editora Abril sobre Processing e visualização de dados. O minicurso foi dado pelo Gabriel Gianordoli, ex-designer da revista Superinteressante, hoje responsável pela editoria de arte da revista Época Negócios.
O Processing é uma linguagem de programação que se manifesta em um programinha muito poderoso. O aplicativo em si é parecido com um bloco de notas mais estribado que funciona como se fosse um Illustrator/InDesign/Wings3D programável. Começou a ser desenvolvido em 2001 no MIT por  Casey Reas e Benjamin Fry para ser uma ferramenta de visualização de dados robusta feita para pessoas que nunca programaram. Em cima do Java, criaram uma sintaxe orientada a objeto mais simples, capaz de gerar gráficos estáticos ou animados e até soluções interativas tridimensionais.
O Gianordoli fez vários infográficos para a revista Superinteressante utilizando o programa e vários designers no mundo inteiro têm explorado a ferramenta de maneira promíscua. Não que isso seja ruim. O exemplo mais emblemático do que se pode fazer com Processing é um projeto do jornal The New York Times bem firulado chamado Cascade. Confira no vídeo abaixo, ele é autoexplicativo. Continue…